Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Romagnoli vira rei nos penáltis.

Depois de muito procurar e de sofrer alguns desgostos, o Sporting parece ter encontrado em Romagnoli o marcador ideal de grandes penalidades, uma tarefa que se tem revelado grande dor de cabeça nos últimos anos, fruto dos desperdícios de Sá Pinto, Liedson, João Moutinho e (em menor número) Polga. Após o último penálti não convertido por João Moutinho (contra a Naval, na 9.ª jornada da Bwin Liga), o técnico Paulo Bento reuniu as tropas e elaborou uma lista com os três marcadores oficiais, cabendo ao argentino Romagnoli o estatuto de principal marcador, seguido dos capitães Polga e Moutinho.

À primeira oportunidade de fazer valer o estatuto, contra o Leiria (12.ª jornada), "Pipi" já não estava em campo, e Polga falhou a pena máxima. No entanto, na grande penalidade que se seguiu, contra o Dínamo de Kiev, com Romagnoli no banco de suplentes, Polga atirou, com tranquilidade, para o golo. Já frente ao Paços de Ferreira (14.ª jornada), no último desafio antes da paragem natalícia, "Pipi" estava em campo, quando Cosme Machado ajuizou um penálti a favor do Sporting, e, da marca dos onze metros, mostrou a sua frieza e eficácia. Qualidade que, aliás, já tinha mostrado noutra ocasião ao serviço dos leões esta época, quando participou com êxito no desempate diante do Guimarães, para a Taça da Liga.

Revendo a carreira de Romagnoli, pode dizer-se que ele é um especialista na conversão de penáltis, pois desperdiçou apenas duas em 11 tentativas em jogos oficiais. O argentino é o novo rei dos penáltis do Sporting, recuperando um estatuto que lhe pertenceu na sua passagem pelo San Lorenzo de Almagro... onde jogava ao lado de Beto Acosta, antigo "matador" do Sporting.

Nos dois castigos que Romagnoli falhou ao longo da sua carreira (apenas no Veracruz, do México, não foi chamado a tal responsabilidade), verifica-se a curiosidade de em ambos ter acertado na baliza: no primeiro, a bola foi desviada após embater no poste, e no segundo o guarda-redes defendeu o remate. Aos restantes nove penáltis executados seguiram-se os inevitáveis festejos.

Foi em 2001, ao serviço da selecção Sub-20 da Argentina (em amigável contra a África do Sul, no dia 31 de Maio), que Romagnoli começou a ter a responsabilidade de marcar grandes penalidades. O prestigiado treinador José Pekerman foi o responsável pela escolha de "Pipi", apesar de, naquela equipa, despontarem talentos do calibre internacional de D'Alessandro, Saviola ou Maxi Rodriguez.

Logo a seguir, confiaram-lhe a mesma tarefa no San Lorenzo... mas perdeu o estatuto no Veracruz do México. Agora, no Sporting, volta a assumir o papel principal neste tipo de lances, com o objectivo de melhorar os (maus) índices de concretização que o Sporting tem vindo a apresentar nesta vertente particular.

Os últimos grandes marcadores de penáltis do Sporting, em termos de eficácia, foram Pedro Barbosa e Jardel, e será necessário aguardar para ver se Romagnoli se integrará nesse lote. Por enquanto, o início foi... prometedor.

 In: O Jogo



publicado por Filipa às 18:58
link do post | comentar | favorito