Segunda-feira, 21 de Abril de 2008
Sporting ofuscado por «lanterna vermelha».



CRÓNICA:

O segundo lugar estava à distância de três pontos e, teoricamente, o adversário seria presa fácil, já que ocupa o último lugar e tinha apenas duas vitórias. Mas o que pode parecer «óbvio» nem sempre se reflecte na realidade. Assim, o Sporting desperdiçou a «escorregadela» do V. Guimarães e foi goleado em Leiria, por 1-4. Será que os leões não aguentaram a pressão? Ou terão sido vítimas da falta desta por parte do grupo da casa? Seja como for, o Sporting tinha de fazer mais e melhor para atingir os seus objectivos.

A primeira parte revelou duas equipas com atitudes diferentes. O conjunto da casa já pouco ou nada tinha a perder, a não ser o orgulho. Logo, apresentou-se em campo disposto a dificultar a vida aos leões, que levaram demasiado tempo a perceber o que se passava no relvado, que dificultou a prática de bom futebol, por estar em mau estado.

As subidas rápidas pelas alas foram o que de melhor se viu no jogo, já que decorreu, durante a maior parte do tempo, a um ritmo muito baixo. Subidas protagonizadas quase exclusivamente pelo U. Leiria. Já o Sporting acusou a ausência desse tipo de lances e a defesa, mesmo com o regresso de Polga, esteve «desconcentrada».

O ataque «móvel» do U. Leiria, com NGal a causar problemas a Grimi e Paulo César e Sougou a trocar, constantemente, de lugar, «baralhou» a defesa leonina. Assim, previa-se que, a qualquer momento, a formação orientada por Vítor Oliveira marcasse. Os golos chegaram aos 14 e 18 minutos, ambos apontados por Paulo César.

A «surpresa» tomava forma. Ou melhor, meia surpresa, já que este é um campo tradicionalmente complicado para o Sporting que, em cinco jogos, apenas venceu um. Só a partir dos 30 minutos, os leões se acercaram da baliza de Fernando com algum perigo, obrigando os leirienses a jogar mais recuados e a apostar no contra-ataque. Mas a pressão sportinguista durou pouco e os primeiros 45 minutos terminaram com o conjunto da Cidade do Lis a encostar novamente a equipa visitante.

Em Alvalade, na Taça de Portugal, com o Benfica a ganhar por 2-0 ao intervalo, Paulo Bento «apertou» com os jogadores e o «sermão» resultou, já que os leões venceram por 5-3. Restava saber se o treinador iria conseguir voltar a incentivar os jogadores a darem a volta a uma desvantagem de dois golos. A primeira mudança que fez foi colocar Derlei no lugar de Grimi.

A verdade é que na segunda metade quase «só deu» Sporting. Os leões controlaram as acções, mas os leirienses fecharam bem os espaços. Ou, pelo menos, dificultaram muito a tarefa aos visitantes, que atiraram ao poste, aos 51 minutos, através de um remate forte de Miguel Veloso, e, aos 67, por Liedson. No entanto, os leões não podiam «relaxar». Tanto Sougou como NGal criavam desequilíbrios, através de subidas velozes.

Sougou foi expulso, aos 74 minutos, ao ver o cartão vermelho directo. O jogador leiriense entrou fora de tempo, sobre Pereirinha (que entrou aos 59 minutos), mas a expulsão pareceu excessiva. Mesmo com menos um, os leirienses causaram perigo e um lance de NGal ditou o 3-0, aos 83 minutos. Uma demonstração de que não basta dominar. Até ao final do jogo Liedson ainda reduziu para 3-1, através de Liedson (86), Derlei foi expulso aos 88, e Cadu fez o 4-1.

Esta vitória evita que os leirienses fiquem, matematicamente, despromovidos e atrasa os leões na corrida pelo segundo lugar, que dá acesso à Liga dos Campeões.

In: Maisfutebol


FICHA DE JOGO:
U. Leiria: Fernando, Éder, Bruno Miguel, Éder Gaúcho, Patrick; Tiago, Cadú, Harison (Lukasiewicz, 77 m), NGal, Paulo César (Alhandra, 90 m) e Sougou.
Treinador: Vítor Oliveira.
Suplentes não utilizados: Rafael Fava, Nélson, Laranjeiro e Toñito.
Disciplina: Cartão amarelo a Bruno Miguel (60 m) e Éder Gaúcho (69 m), Cartão vermelho a Sougou (74 m).
Golos: Paulo César (14 e 18 m), NGal (83 m) e Cadu (90 m).

Sporting: Rui Patrício, Abel (Pereirinha, 58 m), Tonel, Polga, Grimi (Derlei, 45 m), Miguel Veloso, João Moutinho, Izmailov (Romagnoli, 76 m), Vukcevic, Yannick Djaló e Liedson.
Treinador: Paulo Bento.
Suplentes não utilizados: Tiago, Pedro Silva, Adrien Silva e Tiuí.
Disciplina: Cartão vermelho a Derlei (88 m).
Golos: Liedson (85 m).



AVALIAÇÕES À PRESTAÇÃO DE ROMAGNOLI:

 

• "Iniciou a partida no banco e, quando foi chamado, pouco ou nada emprestou ao jogo leonino." -  in Record.

• "Aposta de Paulo Bento quando o Sporting passou a jogar em superioridade numérica mas não trouxe absolutamente nada de positivo." - in O Jogo

• "Clara baixa de forma..." - in A Bola


DECLARAÇÕES NO FINAL DO JOGO:



Tristeza era, naturalmente, sentimento estampado nos rostos dos jogadores do Sporting. No de Romagnoli era visível. Mas o argentino ainda pensa no 2º lugar. «É possível, estamos a três pontos e faltam três jogos. Vamos acreditar, há sempre esperança», garantiu o médio.
Sobre o jogo que acabara há poucos minutos, tínhamos um futebolista incrédulo. «Foi anormal», disse e completou: «Não esperávamos. Sabíamos que o 2º lugar era possível mas as coisas não correram bem. Na primeira parte não conseguimos marcar e no segundo tempo já não houve tempo para dar volta aos acontecimentos».

In: A Bola


publicado por Filipa às 22:22
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De teresa a 5 de Maio de 2008 às 20:34
romagnoli nao desistas pois sei que tu consegues. acho que és um bom jogador com capacidades para vencer. FORÇA EU SEI QUE ÉS CAPAZ! ;)


Comentar post