Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008
Sporting perde no Restelo e reacende ventos da crise.


CRÓNICA
:
O Sporting caiu no «derby» do Restelo desperdiçando de uma assentada o crédito que tinha ganho no clássico de Alvalade de há uma semana e, já com o título a catorze pontos, também se atrasou na luta pelo segundo lugar, caindo para o quarto e deixando de depender de si próprio para chegar à Liga dos Campeões. Mérito para o Belenenses de Jorge Jesus que desmontou o esquema de Paulo Bento e ganhou vantagem com um golaço de Zé Pedro. Ao cair do pano, depois do último apito de Jorge Sousa, ouviu-se o «Leãozinho» de Caetano Veloso.

Jorge Jesus surpreendeu ao apostar numa defesa com três centrais, aproveitando o facto do Sporting jogar sem extremos para subir Mano e Rodrigo Alvim nas laterais, reforçando a zona intermediária com Ruben Amorim e Zé Pedro e ainda com Silas, este último mais solto no apoio aos avançados. Com o miolo do terreno bem ocupado, sobrou pouco espaço para João Moutinho, Romagnoli e Izmailov que, desta vez, pouco puderam contar com o desastrado Miguel Veloso. Os primeiros minutos ainda foram de algum equilíbrio, com poucos riscos e apenas remates de longe a testar os reflexos dos guarda-redes. Primeiro Vukcevic, com um tiro da quina da área que passou muito perto da baliza de Costinha, depois Rolando a atirar à figura de Rui Patrício.

Mas à medida que o tempo foi passando, foi-se tornando evidente que os «azuis» estavam a conseguir maior profundidade no ataque, explorando melhor as laterais e tirando proveito da mobilidade de Silas marcado por um Miguel Veloso lento e com um número anormal de bolas perdidas. Num desentendimento entre Gladstone e Tonel, Roncatto arrancou para o contra-ataque que acabaria por resultar no único golo da partida. O avançado abriu na esquerda para Zé Pedro, com tempo, bater Patrício com um remate cruzado e muito bem colocado. O Sporting tentou reagir de pronto, mas o melhor que conseguiu foi um remate traiçoeiro de Liedson, junto à linha de fundo, que obrigou Costinha a afastar para canto.

Paulo Bento não perdeu tempo e lançou o reforço Tiuí na abertura do segundo tempo, enquanto Jesus trocava Mano por Cândido Costa antes de reagir à maior pressão dos leões com a entrada de Evandro para o lugar de Weldon. Os primeiros minutos revelaram um jogo mais aberto, com os verdes balanceados no ataque e os azuis à espreita para os «contras». Ronny, na marcação de um livre, deu o primeiro sinal, com um remate que fez estrondo no poste mas, aos poucos, a equipa do Restelo, sempre muito tranquila, voltou a pisar terrenos mais adiantados, empurrando os leões para longe da zona de finalização. Paulo Bento tentou voltar a espevitar a equipa com as entradas de Bruno Pererinha e Celsinho, prescindindo dos laterais e desviando Veloso para a esquerda.

A ala direita com os dois suplentes ainda ganhou alguma dinâmica, mas pouca mossa conseguiu fazer à equipa azul, já totalmente concentrada na defesa do precioso resultado. No último suspiro do jogo, Miguel Veloso, na marcação de um livre, ainda arrancou um «bruá» das bancadas, mas já não deu para mais. «Gosto muito de ter ver leãozinho», ouviu-se nos altifalantes do Restelo.


In: Maisfutebol


FICHA DE JOGO:
Belenenses: Costinha, Rodrigo Alvim, Rúben Amorim, Welson (Evandro, 51 m), Silas, José Pedro, Rolando, Hugo Alcântara, Mano (Cândido Costa, 45 m), Roncatto (Areias, 90 m) e Devic.
Treinador: Jorge Jesus.
Não utilizados: Marco Gonçalves, Marco Ferreira, João Paulo e Gonçalo Brandão.
Disciplina: Cartão amarelo a Devic (13 m), Silas (46 m), Costinha (59 m), Rodrigo Alvim (90 m).
Golos: José Pedro (38 m).

Sporting: Rui Patrício, Izmailov (Tiuí, 45 m), Ronny (Celsinho, 72 m), Simon, Tonel, Miguel Veloso, Gladstone, João Moutinho, Romagnoli, Liedson, Abel (Pereirinha, 62 m).
Treinador: Paulo Bento.
Não utilizados: Stojkovic, Purovic, Grimi e Farnerud.
Disciplina: Cartão amarelo a Tonel (7 m), Simon (26 m), Ronny (65 m), Moutinho (75 m), Gladstone (80 m).
Golos: Nada a assinalar.


AVALIAÇÕES À PRESTAÇÃO DE ROMAGNOLI:



• "Mais um criativo que ficou a léguas do seu real valor. Pouco inspirado e sem o engenho necessário para criar situações de concretização. Só na marcação de pontapés de canto conseguiu provocar algum embaraço ao sector recuado do Belenenses. Na segunda parte, quando a equipa forçou o ataque, apareceu mais um jogo, mas revelando sempre incapacidade de "inventar" algo que ajudasse a equipa a virar a partida." - in Record.

• "Débil o desempenho do "playmaker" argentino face àquilo que pode, sabe e deve fazer. Mais um leão em mau momento de forma, pareceu quase sempre sem ritmo para um jogo que não foi propriamente frenético. Só perto do fim se quis assumir, mas foi tardio o despertar." - in O Jogo


publicado por Filipa às 17:46
link do post | comentar | favorito